quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sugestões natalícias para a vossa cara-metade

O Natal está a chegar e, se bem conheço os meus românticos leitores, é hora de surpreender a cara-metade, quer seja a namorada ou o namorado, quer seja a empregada de mesa cuja mão roça ao de leve na nossa quando nos está a entregar o troco, quer seja aquela pessoa especial que nos faz subir a uma árvore todas as noites para a observar com uns binóculos com infra-vermelhos enquanto troca de roupa e vê a telenovela... Toda a gente com o mínimo de experiência em relações sabe que o segredo para as manter é dar prendas, a santíssima trindade: aniversário, dia de S. Valentim e Natal. Falhem uma delas e põem em causa toda a estabilidade que esse relacionamento possa ter.

Deixo então uma lista de sugestões para prendas de Natal que surpreenderão e salvarão a vossa relação com essa pessoa que faz com que a vossa vida valha a pena e com quem querem passar a próxima eternidade (já pensaram em dizer isto àquela colega de trabalho que vos diz bom dia todos os dias e que de há duas semanas para cá deixou de usar aliança? Um pouco de sinceridade nunca fez mal a ninguém e estas palavras bonitas caem sempre bem).


Sugestão 1 - Kit casaco de peles Do It Yourself (DYI)




Este kit, que consiste num conjunto de facas e numa gaiola com um vison vivo, é o último grito da moda feminina. Não é novidade para ninguém que as mulheres adoram casacos de pele, principalmente as vegetarianas que só o são por inveja de quem possui casacos de peles, mas todos sabemos que melhor do que comprar um casaco de peles é fazer o nosso próprio casaco de peles (eu que o diga, que no outro dia matei duas toupeiras para fazer umas luvas e um flamingo para fazer um daqueles chapéus à chefe dos índios... o que me dizes a isto, índio dos Village People?)... Quando compramos um casaco de peles ignoramos todo o bonito processo que este teve que atravessar até chegar às nossas mãos (a fase da matança e a fase do escalpe são maravilhosamente agradáveis de executar). O kit casaco de peles DIY, que inclui um animal vivo e os instrumentos necessários para elaborar o casaco, vem colmatar a nossa necessidade de conhecer todo este ciclo de produção e tornar mais especial a experiência de envergar um casaco de peles. Ultrapassa e dá três voltas de avanço ao prazer de usar o casaco de malha que nos levou 6 meses a tricotar (e que bonito é esse casaco com o seu padrão cinzento e castanho e com flores nos ombros).

Este presente traz como oferta uma segunda intenção. Já que muitas mulheres podem ter dificuldades em confeccionar o seu primeiro casaco de peles sozinhas, é uma óptima desculpa para um programa romântico a dois, atirando para canto a demodée matança do porco.


Sugestão 2: Proporcionar-lhe uma daquelas experiências que mudam a vida

Quem passa por experiências traumáticas geralmente torna-se uma pessoa diferente. A vida passa a ter outro sabor. Dá-se mais valor às pequenas coisas (como elaborar o nosso próprio casaco de peles). Ganhamos desculpa para enveredar por toda a espécie de vícios que até então nos estavam vedados por sermos pessoas com uma vida perfeitamente normal. Garantimos entrada em tudo o que é terapias de grupo. É por isso que dificilmente imagino melhor prenda do que proporcionar a alguém uma experiência deste género.

Tudo depende da vossa criatividade. Vale tudo desde que tenha impacto e seja traumatizante. Dou-vos alguns exemplos:

- fazer passar a nossa cara metade por um estado de coma prolongado (eg. atropelando-a), proporcionando-lhe uma experiência de quase morte (aquela luzinha é imperdível) e um revigorante sono que pode ir dos 5 aos 40 anos;
- pagar a uns bandidos para se fazerem passar por extraterrestres, abduzirem a vossa mais que tudo e combinar as coisas de maneira a que sejam vocês próprios os grandes salvadores. Não só será uma experiência traumática como ela vos ficará eternamente grata por a terem salvo daqueles venusianos nojentos. Só não esperem que ela vá ver o ET convosco depois disto.

Se a vossa relação com ela é a de stalker-vítima, estão no bom caminho. Ela não vos vai esquecer... nem aos vossos postais escritos com letras recortadas do jornal...


Sugestão 3: Um dispositivo de micção feminino
Este dispositivo, que já foi considerado por pessoas insuspeitas, como o nosso Presidente da República, como a grande invenção do século XXI, veio revolucionar a vida de todas as mulheres. Com esta espécie de funil anatomicamente adaptado as mulheres passam a deter esse super-poder, até agora exclusivamente masculino, de urinar de pé. Este dispositivo faz mais pela emancipação feminina do que a pílula, o micro-ondas e o detergente em pó juntos. É uma boa prenda porque é útil, mostra que nos preocupamos com os seus problemas reais (já perdi a conta às vezes em que mulheres conhecidas e desconhecidas partilharam comigo a sua mágoa de serem obrigadas a urinar sentadas, atirando-me à cara que "eu nem sabia a sorte que tenho por ser homem e poder urinar em todo o lado e não precisar de estar em filas para a casa-de-banho, que muitas vezes até está vomitada") e vem obedecer aos seus desejos mais profundos, que, ao contrário do que normalmente acontece apesar da nossa extremamente apurada sensibilidade, não nos passaram despercebidos. Por outro lado dá-nos um pretexto para abordarmos a questão das necessidades fisiológicas da nossa namorada à frente de toda a família, o que é impagável, hilariante e digno de ser partilhado no Conan O'Brien, caso algum dia tenhamos oportunidade de lá ir (o segredo para termos uma vida interessante é só fazermos coisas que sejam dignas de serem partilhadas no programa do Conan O'Brien). Oferecer um dispositivo destes a uma desconhecida também não é de desprezar, já que, ao fazê-lo, nos tornamos imediatamente no homem mais sensível com que esta mulher se cruzou.

Sugestão 4: Sortido de brinquedos

Este brinquedo (cocó para usar na cabeça, para levar a corridas de cavalos ou para tornar mais fácil a superação do estádio anal, "controlar o esfincter é fácil, 80% de força de vontade e 20% de skill"):


Ou então este (peixe cor-de-rosa de brincar para ela fingir que está a comer peixe):


Ou, talvez, este (cabeça de camelo gigante, para se poder gabar a todos os seus amigos: "Eu tenho uma cabeça de camelo gigante e vocês não"):


Porquê? Não sei explicar... Se calhar é por serem brinquedos espectaculares, que vos farão subir uns pontos na escala da consideração delas... Podem jogar pelo seguro conjunto "Livro+perfume", mas lembro-vos que a vossa subida no ranking é proporcional à criatividade que mobilizaram na escolha da prenda e um chapéu em forma de cocó não é de desprezar.


Sugestão 5: Vídeo de vocês próprios com um barrete, uns óculos parvos e um cachecol a tapar a cara a fazer karaoke do hit de 1997 "Alane" do artista camaronês Wes (1.º lugar na Áustria, França, Bélgica e Holanda)

É irresistível, marcante e prometo-vos que ficarão irreconheciveis para a polícia. Está provado que cantar em bantu é a chave para o coração de 80% das mulheres (o coração das restantes 20% abre-se com cantonês... Para quando uma música do Julio Iglesias em Cantonês e Bantu? Será devastador...).

Fica aqui o vídeo e a letra para poderem treinar.





Wes - Alane

Son déri sang / Mini sondé
Bika mi sanga / ga minitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé
Son déri sang / Minimi so bébi sondé..é
Bika misanga ganimitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !
Hé hi yé yé yé (bis)

Son déri sang / hou hou hou hou hou / Mini sondé
Bika mi sanga / ga minitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga wé / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !
Hé... hi yé yé yé

Né ma ka ni kaso
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / Yé yé yein
We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !

Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Hé... hi yé yé yé


Para já não me lembro de mais sugestões. São livres para deixarem as vossas, sendo que garantidamente não são tão eficazes como as minhas. Para a minha cara metade organizei um cabaz de Natal que reúne estas 5 e um bacalhau. Finalizo com a sugestão:

Sugestão 6: Bacalhau

Para quem não sabe o bacalhau é um peixe que existe em abundância na Noruega. Nós, portugueses, gabamo-nos das 500 mil maneira que inventámos para confeccionar este peixe (Bacalhau à Braz, Bacalhau à Gomes Sá, Bacalhau com Natas...). Tradicionalmente é o prato preferido da maior parte das famílias na ceia natalícia (o sacrifício final das crianças antes de receber as prendas... "Querem as prendas? Comam o bacalhau."). É sempre uma prenda a ter em conta.

terça-feira, 21 de julho de 2009

O terror dos flamingos


Para quem não sabe, o Pacheco Pereira tem um programa de televisão da Sic Notícias onde, pura e simplesmente, diz o que lhe vai na real gana. E nunca é de desprezar o que vai na real gana do Pacheco Pereira. É por isso que acho que a Sic Notícias devia mudar-se para o apartamento do Pacheco Pereira (PP). Por um lado poupava imenso trabalho ao PP, que deixava de ter a maçada de despir o seu robe de seda para se deslocar a Carnaxide (e ninguém quer que o PP dispa o seu robe de seda). Por outro lado permitia-nos a nós, comuns mortais, um acesso mais facilitado à sabedoria do PP e, principalmente, à sua vida íntima. A Sic Notícias seria um misto de canal de notícias com reality show da vida de PP. Imaginem a seguinte situação:

Pivot da Sic Notícias: O primeiro-ministro José Sócrates anunciou mais uma medida de combate ao desemprego... Esperem aí, o PP deve querer dizer alguma coisa sobre isto... Ó PP o que é que achas disto?

...

Pivot da Sic Notícias: Ele agora não pode... Está a fazer amor... Esperem 5 minutos que ele já vem dizer alguma coisa sobre esta notícia, enquanto estiver a fumar a sua cigarrilha pós-coital...

E isto leva-nos a outra questão... Será que no meio de tantas leituras, tanta indignação, tantas crónicas o PP faz amor? Faz.

E esta é uma questão essencial, como diria PP. É que todos sabemos que não há nenhum homem ou mulher que seja digno(a) de fazer amor com PP...

Então faz amor com quê?

Outra questão essencial, admiro a coragem de quem a fez... A única criatura no planeta suficientemente nobre e sublime para fazer amor com PP é o flamingo. É esta a minha opinião desde a primeira vez que vi o PP. Ele é um flamingofucker, passo o neologismo . E se o PP é um flamingofucker o Paulo Rangel é um pelicanofucker, passo o neologismo. Mas isso é toda uma outra questão que, para já, não vou explorar.

Passados 5 minutos de o pivot da Sic Notícias, sentado na sala de estar de PP a desempenhar a sua função de nos informar sobre o que se passa no Mundo, interromper aquilo que o PP estava a fazer com um flamingo (chamado Ernesto), PP chega ao "estúdio", senta-se na sua poltrona, cheio de penas cor-de-rosa coladas ao seu corpo suado (no fundo vemos o flamingo a passar com um ar cansado vestindo apenas uma camisa do PP) e enquanto fuma a sua cigarrilha, mostra-se indignado com a notícia que o pivot acabou de dar. E nós não só levamos a sério alguém que acabou de comer um flamingo como também partilhamos da sua indignação, ou não fosse o actual Governo o culpado do estado lastimoso em que nos encontramos (apenas o actual Governo é o culpado pelo estado lastimoso em que nos encontramos, nunca o último. Razão pela qual o chamado eleitorado flutuante, vulgo eleitorado acéfalo, intercala sempre o seu voto entre estas duas opções, punindo sempre o actual governo e recompensando o saudoso trabalho do anterior, que, lembre-se, foi fortemente punido nas últimas eleições por ser o culpado de todos os males do país... a beleza da democracia... que, como disse Churchill (ou terá sido o taxista que me trouxe no outro dia do Via Rápida?) é o pior sistema político com excepção de todos os outros, visto que, ao contrário de todos os outros, que dependem apenas de uma ou duas pessoas estúpidas, geralmente de bigode, este depende de milhões de pessoas estúpidas).

Enquanto a Sic Notícias não se muda para a casa do PP as únicas e poucas (ironia) maneiras de ter acesso à enorme sabedoria de PP são a Quadratura do círculo, as crónicas no Público, as crónicas na Sábado, o seu blog e o seu novo Progama Ponto/Contraponto (e há quem diga que o PP é uma voz incómoda que muitos querem calar... que faria se não fosse?). E foi neste último programa, que tive a sorte de ver ontem, que PP nos presenteou com a mais brilhante e iluminada análise de um outdoor já alguma vez feita no exterior de um táxi.

Ponto prévio - os outdoors: quem é que baseia o seu sentido de voto num outdoor? Só os estúpidos... Daí a importância destes instrumentos de campanha... É que são os estúpidos que ganham as eleições. Posto isto, ao dar tanta importância aos outdoors, considerando-os um objecto digno da sua douta análise, o magnânime pensador PP é um reles e estúpido português igual a todos nós (sim, também eu voto com base em outdoors. Por exemplo, votei no BE nas eleições europeias porque era o único que tinha outdoors com gajas boas e só não votei no PSD porque tinha lá o Paulo Rangel, esse pelicanofucker ou pelicanófilo, passo o neologismo... mas isso são outras histórias...). E o facto de o PP ser um reles e estúpido português só é novidade para o próprio PP que se acha maior do que todos os outros reles e estúpidos portugueses (esta é a diferença entre os intelectuais e o povo para além do cachimbo... Sim, também estou a falar de ti, José Gil...)... Principalmente quando fala da cegueira dos reles e estúpidos portugueses em relação ao futebol. E não é por PP não gostar de futebol, ao contrário do que pensam as pessoas que interpretam as suas acutilantes opiniões sobre este desporto desta forma. O PP até gosta muito de futebol mas como na escola primária, devido à sua descoordenação motora, o mandavam sempre à baliza, zangou-se com o desporto e resolveu ir para a biblioteca escrever livros sobre o Álvaro Cunhal. Perdeu-se um guarda-redes medíocre, ganhou-se um programa televisivo chamado Quadratura do Círculo... O balanço é trágico... Se os seus colegas soubessem tê-lo-iam deixado jogar a avançado pelo menos 5 minutos... Mas ninguém gosta de perder...

("Os meninos não gostam de mim..." diria um choroso e inconsolável PP de 14 anos à sua mãe "Pois não! És gordo, estúpido, chato, tens a mania que és melhor do que os outros e, ainda por cima, não sabes jogar à bola... Serias um bom pisa-papéis se não fosses tão feio... Se te ouço falar outra vez do Álvaro Cunhal levas com um pau de marmeleiro nas costas que te f..." responder-lhe ia a sua mãe).

Mas estava eu a falar sobre a análise de PP a um outdoor. O outdoor em questão era o outdoor de José Sócrates. Segundo PP, este outdoor é, e passo a citar, "ofensivo para todos aqueles que acreditam na igualdade de género". Como só consigo ver os programas do PP de costas para a televisão* não vi o outdoor do PS na altura. Mas, pelas palavras de PP, esperava um outdoor em que um José Sócrates, de camisola interior de alças, com um garrafão de vinho numa mão e um cinto na outra, açoita violentamente uma mulher, prostrada no chão, como metáfora da maneira como este vai atacar a crise. De facto, seria um cartaz bastante machista e tipicamente português. Por isso, foi com espanto que passei por uma rotunda e vi isto:



E a questão essencial é: será que existem substâncias alucinogénias no traseiro do flamingo? Se sim arranjem-me já 4 ou 5 flamingos para levar para Paredes de Coura. Se não, não deviam deixar o PP andar por aí à solta nem, tão pouco, ter um programa de TV... Segundo PP, o olhar embevecido da mulher esverdeada que aparece ao lado de José Sócrates demonstra a misoginia de quem elaborou este cartaz, passando a mensagem de uma subserviência das mulheres em relação ao charme do Primeiro-ministro... E, perante isto, eu pergunto: "Misoginia, onde estás tu, minha querida?" (eu e a misoginia temos uma relação muito íntima...). Estou mesmo a ver o criativo que elaborou o cartaz a ter o seguinte diálogo com um indíviduo chamado "Man":

- Man, e se metêssemos uma gaja verde a olhar embevecida para o José Sócrates? Isto passa a mensagem de que as gajas gostam do José Sócrates, o que leva as outras gajas a gostarem do José Sócrates...

- Isso não é um pouco misógino? - perguntaria, o sempre sábio e esclarecido, Man.

- Mi... O quê? Eu acho que é, tipo, genial... o Sócrates, uma gaja verde...


- Então faz lá isso... Estou-me a cagar... Só quero é receber o meu...


- Man?

- Diz...

- Tive uma ideia... E se puséssemos o Sócrates a salvar a gaja verde do Hulk, tipo, estás a ver? A gaja é verde, por isso o Hulk, que também é verde, gosta dela e quer levá-la mas o Sócrates não deixa...

- Mas o Hulk é bom, isso faria o Sócrates passar por mau da f... Mas porque é que eu me dou ao trabalho? Esquece isso! Já te estás a esticar. Mete lá a gaja verde a olhar para o Sócrates que o Pá está-me a mandar uma SMS para irmos ter com ele àquele sítio do outro dia, comer chouriço assado...

- Ya, Man... tá-se bem...

Até compreendo a revolta de Pacheco Pereira perante tão vil e rasteira machadada na luta pela igualdade de género... Não por esta fazer sentido, mas porque que não há muito para dizer sobre os outdoors (o que é que há para dizer sobre um cartaz com um slogan e a cara de um tipo?) e, como é parvo, teve que inventar qualquer coisa parva para dizer... É a cena dele... Isso e flamingos...



* Não é pelo seu aspecto asqueroso... é apenas por gostar de o imaginar a dizer as coisas que diz vestido de duende, montado num flamingo mágico, num Mundo feito de gomas e marshmallows.


P. S. Para quem não sabe, apesar de ainda não ter publicado nada, escrevo noutro blog, que tem um registo mais sério do que este (se estão à espera de encontrar pornografia de flamingos e Pachecos Pereiras desenganem-se), e que partilho com os meus amigos e sagazes pensadores da actualidade: Freddy, Daniel e Bob. Visitem-no:

www.ydiossincrasias.blogspot.com

sábado, 2 de maio de 2009

É um pássaro? É um avião? Não! É o Alberto João!


Tenho muita admiração pelo político (e pelo homem) que é Alberto João Jardim. Tanta admiração que acho que deviam enfiá-lo num frasco gigante de formol para, assim, conservarem melhor este portento da espécie humana que é o Presidente do Governo Regional da Madeira. Pelo bem das gerações futuras.

Muitas vezes ouvimos as pessoas do Continente (e as do Pingo Doce, embora menos frequentemente) a falar mal do Alberto João Jardim. Quantas vezes não ouvimos dizer que ele é um ditador, que ele é prepotente, que ele é rude, que ele parece um orangotango hermafrodita que foi abusado sexualmente em criança por um grupo de chimpanzés e que, por isso, foi entregue pela sua família biológica a um grupo de hienas?

Confesso que já estou farto disto! Parem de o comparar a um orangotango!

As pessoas da Madeira elegeram-no democraticamente. E quem melhor do que as pessoas da Madeira para conhecer o Alberto João? Ao fim ao cabo são vizinhas dele. Se escolhem votar nele há tantos anos, ainda que sob ameaça de perder o emprego e de ver a sua família cair em desgraça se não o fizerem, é porque ele até é competente (já para não falar dos seus outdoors). E não, não é assim tão parecido com um orangotango, embora concorde que pelos seus modos, bem que podia ter sido adoptado por um casal homossexual de hienas.

O último ataque de que este grande estadista foi vítima tem a ver com a acusação de que gastou meio milhão de euros em viagens "secretas".

Perante um título destes a tendência é pensar que o Alberto João andou a gastar o orçamento do Executivo em viagens "secretas" ao Brasil ou à Tailândia por motivos turísticos. E se fosse? Todo o justo merece o seu descanso... E há alguém mais justo do que Alberto João Jardim?

E não é "justo" da mema maneira que uma calças de cabedal de tamanho 32 ficam justas a uma pessoa que veste o 44.

Embora deva lamentar que não possamos vestir a pele do Alberto João Jardim. Se o pudéssemos fazer, não só chegaríamos à conclusão de que esta não é, de todo, justa (teriamos que subir um bocado as bainhas e estreitar a cintura) mas também, e principalmente, compreenderíamos o que é estar, literalmente, na pele deste grande estadista (e não é fácil... principalmente durante o Carnaval).

Mas não... O Alberto João Jardim não foi ao Brasil nem, tão pouco, à Tailândia. É falacioso tirar este tipo de conclusões sem uma reflexão prévia sobre o conceito de "viagens secretas". E levanto a seguinte questão para que possamos fazer uma espécie de brainstorming... Que razões é que levam alguém a fazer viagens "secretas"? Podem responder... Não tenham medo... Façam de conta que o Alberto João Jardim não lê este blog...

Prostituição.

Pedofilia.

Uma amante.

Gastronomia.

Porquê Gastronomia? Isso é mesmo ridículo! Quem faria uma viagem "secreta" por motivos gastronómicos? Porque é que alguém haveria de esconder isso?

Se fosse antropófago...

Bem visto... Mas devo dizer-vos uma coisa. Todas as vossas razões são ridículas e vão de encontro à ideia falaciosa de que há qualquer tipo de má intenção de Alberto João Jardim por detrás das suas viagens "secretas".

Só há um motivo pelo qual imagino um homem como Alberto João Jardim viajaria secretamente e esse motivo é salvar o Mundo. E não se pode querer salvar o Mundo sem gastar dinheiro... Peço desculpa a todos os indíviduos de óculos do Tribunal de Contas que criticaram o meio milhão de euros que o Executivo da Madeira gastou em viagens secretas, peço desculpa por esse dinheiro não ter sido investido em material de escritório, computadores ou comida para os pobres. Salvar o Mundo não é uma coisa assim tão importante pois não?

Pois eu digo-vos isto, os meus pedidos de desculpa são irónicos. E declaro com todas as minhas forças: deixem o Alberto João Jardim em paz. Deixem-no fazer ao Mundo o que ele fez à Madeira. Não viveriamos num Mundo melhor se, tal como os madeirenses, tivéssemos acesso gratuito a um jornal diário com crónicas do Alberto João Jardim? Este Mundo não seria um local bem mais respirável se, tal como os madeirenses, toda a gente tivesse acesso a um fogo de artíficio tão magnânime na passagem de ano?

Será que vamos criticar o único super-herói que temos só porque uns indivíduos de óculos do Tribunal de Contas nos dizem para o fazer?

Devemos é ter orgulho no Alberto João Jardim que, de dia, é o calmo, sensato e bondoso Presidente do Governo Regional da Madeira e, à noite, depois de vestir o seu fato de licra e de vestir as suas cuecas por cima desse fato de licra, coloca uma capa e um capacete de gladiador e, na sua banana voadora, vai salvar o Mundo, livrando-nos de todos esses bastardos e maltrapilhos que o assombram.

Conseguir isto por meio milhão de euros é uma pechincha, senhores do Tribunal de Contas.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

A que é que corresponde um ano de corta-unhas em anos humanos?



O dia 11 de Abril é um dia muito especial... Porque foi o dia em que nasceu Léo-Paul Desrosiers, famoso romancista do Quebeque? Também e já esperava que me atirassem à cara... Mas há algo de muito mais importante que aconteceu neste dia. O dia 11 de Abril está para o Mundo como o dia 11 de Setembro está para o terrorismo ou está para a blogoesfera como o dia em que nasceu Jesus Cristo está para o nosso calendário. Porque foi neste dia, 11 de Abril de 2008, que este blog foi criado (actualização da data de hoje no meridiano da blogoesfera: 13/1/1 d. CuM (depois de Corta-unhas melancólico).

Um post sobre o Mário Machado (que início tão auspicioso...) serviu para inaugurar este espaço que marcou indelevelmente a vida de todos os que por aqui passaram. Este blog fez 1 ano no passado dia 11 de Abril. Um ano em que dei tudo de mim, um ano em que vos fiz chorar de alegria, um ano em que vos fiz chorar de tristeza, um ano em que a vossa rotina diária deixou de ser "acordar-tomar pequeno-almoço-tomar banho-trabalhar-jantar-dormir" para passar a ser "acordar-ler o corta-unhas melancólico-ficar inconsciente de tanto rir-recuperar a consciência-voltar a ficar inconsciente com a recordação do post-voltar para a cama e rezar a Deus para que aqui o vosso amigo escreva outra coisa no dia seguinte, mas se não fizer não faz mal eu volto a ler o último post porque vou sempre descobrir novas nuances e interpretações".

Este último dia 11 de Abril foi um dia histórico que não podia deixar de assinalar. Com 13 dias de diferença. é certo. Mas assinalei-o e estou muito agradecido a mim mesmo por isso.Apesar de tanto tempo de atraso fui também a única pessoa a fazê-lo. Nenhum de vocês (sim, vocês os 2, estou a falar convosco...) se lembrou de me felicitar pelo primeiro aniversário deste blog. Nem um fogo de artifício, nem um mega concerto com as minhas bandas preferidas, nem um almoço na Mealhada (e vocês sabem muito bem que eu adoro leitão...). Nada! Nem uma SMS... E não ter o meu número não é desculpa. Se vocês precisassem, como já aconteceu, que eu vos ajudasse com alguma questão relativa a processos criminais eram meninos para me ligar. Sabem da minha influência e sabem que uma palavra minha pode fazer parar o Mundo caso eu o entenda (a propósito, a razão de o hemisfério norte estar virado para cima e de o hemisfério sul estar virado para baixo tem a ver com o simples facto de não me apetecer viver num hemisfério que implicasse que eu andasse sempre de cabeça para baixo... É perigoso porque concentra demasiado o sangue na cabeça e se eu quisesse andar sempre assim limitava-me a fazer o pino).

Enfim... Vou-me deixar de parvoíces e falar um bocado a sério. Este blog fez um ano e há uma conclusão que posso tirar: ainda não cheguei ao 100.º post, o que é vergonhoso. De qualquer maneira nunca pensei que conseguisse aguentar uma coisa destas tanto tempo e a escrever com alguma (não muita) frequência. Foi algo que me deu imenso gozo e, modéstia à parte, fiquei orgulhoso quando acabei de escrever alguns posts (não muitos...). Descobri o gosto pela escrita e descobri um hobby que me faz sentir bem.

Mais do que isso o blog permitiu-me tomar contacto com o Mundo da blogoesfera (talvez a palavra Mundo seja um bocado exagerada quando estamos a falar de blogoesfera, prefiro usar a palavra "coisa")... permitiu-me tomar contacto com esta "coisa" da blogoesfera. Até ter um blog achava que a blogoesfera era uma espécie de reino absolutista do Pacheco Pereira. Mas não é... Acho que aquilo que mais me motivou para não desistir de actualizar o blog passadas duas semanas foram os comentários que fui tendo de "desconhecidos" (até então) que alimentavam o meu ego com críticas positivas, que permitiram enriquecer a minha perspectiva sobre determinados assuntos (recordo com nostalgia aquele anónimo que me mandou para o "caralho que me foda", passo o vernáculo, a propósito de algo que escrevi sobre o João Pedro Pais), que me faziam rir, e que me deixavam muitas vezes agarrado ao e-mail à espera de comentários (quão doentio é isto?). É escusado estar com coisas. Por muito que me dissesse que escrevo apenas pelo prazer de escrever (e em parte é verdade) estaria a mentir se não dissesse que gosto muito de receber comentários. Principalmente porque tenho a sorte de as poucas pessoas que passam por aqui serem extremamente interessantes (sendo que os blogs de algumas delas fazerem agora, de certo modo, parte da minha vida... É engraçado...). É um privilégio ter as vossas visitas!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Apenas um oceano os separa...

De uma maneira estranha acho estes dois discursos bastante semelhantes:

O discurso de Obama na Convenção do Partido Democrata de 2004 que marca o momento onde este se tornou mundialmente conhecido e onde partiu da história da sua família para louvar os EUA:



E o discurso de Tino de Rans no Congresso do PS:



Embora o discurso de Obama seja emocionante e o discurso do Tino de Rans seja... coiso, ambos fazem referência às suas origens humildes, ambos são extremamente elogiosos para o líder do Partido em questão (John Kerry no caso de Obama e António Guterres no caso de Tino de Rans), ambos foram ovacionados constantemente e o discurso de ambos culminou com toda a gente a gritar o seu nome. Resta acrescentar que, após estes discursos, ambos tornaram-se figuras incontornáveis na política dos seus respectivos países: Barack Obama acabou por tornar-se Presidente dos EUA e Tino de Rans lançou o grande êxito "Pão, pão".

Será que Tino de Rans é o Barack Obama português? Ou Barack Obama é o Tino de Rans americano?

Depois disto fica o orgulho de ter sido das primeiras pessoas a colocar Barack Obama e Tino de Rans no mesmo patamar...

domingo, 5 de abril de 2009

Big Marco is Watching You - Manifesto


Devido a uma falta de inspiração que me tem afectado ultimamente, possivelmente relacionada com a inalação de quantidades absurdas de pólen, tenho presenteado os meus 2 leitores (entre os quais eu me incluo orgulhosamente) com ideias peregrinas susceptíveis de mudar a nossa maneira de estar no Mundo. Substituir a nossa consciência pela plateia do Preço Certo e associar à mudança da hora uma mudança de espaço são as mais relevantes. Poderia acrescentar muitas outras que caem todos os dias na sarjeta devido ao facto de cometer essa terrível falha (para a Humanidade, claro, já que a mim tanto se me dá) de não andar constantemente acompanhado por um escravo que transcreva tudo o que eu digo durante as parcas 24 horas que constituem um dia. Um apanhador de pérolas, como eu gosto de lhe chamar.

Não podia, no entanto, deixar de juntar ao meu rol de inovações esta última que me assola a mente há muitos anos, já que para além de ser algo passivel de mudar o Mundo é uma ideia revestida daquilo que de mais bonito tem a natureza humana, a gratidão, a lealdade e o reconhecimento dos méritos de outrém.

Mandar o José Mourinho para Itália não paga nem uma pequena fracção da gratidão que temos para com este país por nos ter confiado o seu bem mais precioso. A pessoa a que me refiro (embora o termo "pessoa" seja demasiado redutor para definir esta entidade que nos transcende a todos pelo seu talento, pelas suas características humanas e pela sua beleza divina) podia, facilmente, ser grande em Itália, no Mundo, naquele planetazinho que está prestes a ser descoberto e onde estão muito mais avançados do que nós ou no Paraíso, mas escolheu-nos a nós. Escolheu presentear Portugal com a sua presença, tornando-nos um povo mais feliz, embora nunca verdadeiramente digno dele. Até por aí se vê o seu altruísmo fora do normal. Mesmo não sendo dignos de partilhar o seu espaço geográfico, ofereceu-nos tudo o que tinha de melhor.

A pessoa a que me refiro é Marco de Camillis e, apesar de ter a consciência que nós, Portugueses, por muito que tentemos, jamais conseguiremos retribuir-lhe devidamente tudo o que ele fez pelo nosso povo, venho aqui propor um pacote de medidas para demonstrar a nossa gratidão a este vulto da dança, que nos escolheu como receptores da sua magia, ensinando-nos a dançar, alternando entre o austero e o caloroso nos devidos momentos e conseguindo ser severo como um pai quando precisamos e doce como uma taça de aletria quando merecemos. Sobretudo, foi o melhor amigo que este país poderia ter tido.

Na vida de um homem, chega a altura em que nos deparamos com uma causa pela qual vale a pena morrer, o sentido da vida como muitos lhe chamam. Eu encontrei a minha, lutar para mostrar a nossa gratidão à melhor pessoa (mais uma vez sublinho os limites deste termo quando aplicado a algo tão grandioso como Marco de Camillis) que este Universo já viu. Marco, este que morreria por ti, saúda-te!

Nunca a cidade de Roma, conhecida pela sua monumental história e por ser um dos berços da civilização tal como a conhecemos tinha assistido a algo tão grandioso como aquilo que se passou em determinado dia de 1966, o nascimento do pequeno Marco de Camillis (na biografia que pode ser lida no seu site oficial não discrimina o dia de 1966 em que Marco nasceu, o que é compreensível dado que não se pode restringir a um só dia algo de tão magnânimo como a vinda ao Mundo deste Ser). Este acontecimento marcou de forma intensa este país que teve um pouco de dificuldade para lidar com algo tão fenomenal. Uma coisa é ser o epicentro de um Império que domina o Mundo, outra coisa é ser o local que Deus escolheu para mostrar ao Mundo a derradeira prova da sua existência, uma metáfora viva que ultrapassa a própria perfeição, um talento para dançar/coreografar tão intenso que conseguiu ofuscar todos os feitos atingidos pelo Homem até então. O que até aí tinha sido grandioso passou a mediano a partir do momento em que um Marco de Camillis recém nascido presenteou toda a multidão que se juntou nesse dia de 1966 para contemplar o inaudito milagre do seu nascimento, com um pas de deux perfeito. Nada de tão belo tinha sido visto até então e só a grandiosidade dos seus feitos subsequentes permitiu às pessoas relativizar esse pas de deux (que por si só bastaria para colocar o pequeno Marco no Olimpo dos coreógrafos) e encará-lo como um simples "gugu dadá" no percurso conducente à grandeza protagonizado por Marco de Camillis.

Esse mesmo Marco de Camillis que nos escolheu como palco para a sua arte. Foi com ele que nos emocionámos quando trabalhava humilde e afincadamente com o ingrato objectivo de pôr os canastrões da Operação Triunfo a moverem-se com maior ligeireza. Um trabalho ingrato para estes jovens, dado que a obsessão de todo o aprendiz em superar o seu mestre transformava-se no seu caso, num misto de frustração e devoção que se revelava nos momentos em que olhavam embasbacados para os movimentos sublimes de Marco e se resignavam à sua condição de comuns mortais.

Mas foi no momento em que Marco começou a ensinar danças de salão às nossas celebridades que finalmente percebi a dimensão do fenómeno a que me era dado o prazer de assistir todos os Sábados à noite. É com emoção que recordo o cha-cha de Marta Melro, o hip-hop do Girafa, a maneira desenvolta com que aquele rapaz que fazia de Zé Milho nos Morangos com Açúcar se abanou ao ritmo do fox-trot, os movimentos harmoniosos de Nuno Markl a dançar o tango, a coreografia magistral que deu o 8.º lugar (nada mau!) a Sónia Araújo na final europeia do Dança Comigo... Momentos perfeitos que por si só dão sentido a esta vida! Coreografias vindas directamente do céu para serem interpretadas por comuns mortais. E como as danças de salão devem ser praticadas a 2, a única maneira de se tornarem ainda mais gloriosas seria se fossem interpretadas por dois Marcos de Camillis. É óbvio que isto não passa de uma utopia, este Mundo é pequeno e reles demais para merecer a benção de ter dois Marcos de Camillis. Contudo, vêm-me lágrimas aos olhos só de pensar na possibilidade de contemplar dois Marcos a dançarem o tango. Desculpem o ritmo embargado deste manifesto, mas estou a falar de algo que me toca mesmo cá dentro.

O que é que o nosso pequeno Portugal fez para merecer isto? Nada. O que é que o nosso país pode fazer para retribuir a Marco de Camillis tudo o que ele lhe deu? Nada que faça o mínimo de justiça a este Homem.

Eu sei que é ingrato e imagino que a vossa revolta não seja mais pequena do que a minha. Apesar de ser impossível agradecer devidamente a Marco de Camillis, podemos sempre tentar, aplicando na prática tudo aquilo que ele nos ensinou. Podemos não ser perfeitos, podemos não conseguir atingir os nossos objectivos, podemos até ouvir uns berros com sotaque italiano por isso, mas devemos sempre tentar... Tenho a certeza que era isto que Nuno Markl e Carlos Lopes tinham em mente quando subiram ao palco do Dança Comigo para demonstrar uma total inépcia para a dança. Apesar de terem provado o néctar da pedagogia Marco de Camilliana não o conseguiram transformar em nada a que se possa chamar dança. No entanto, como o aprendiz que se pune com vergastadas por não conseguir absorver os ensinamentos do mestre, Carlos Lopes e Nuno Markl subiram ao palco como que a mostrar: "A culpa disto não é do Marco de Camillis, a culpa é minha, que não sou digno de respirar o mesmo ar que este respira, e com isto faço hara-kiri público para gáudio de todos vós que não resistem em soltar gargalhadas, quais flechas assassinas que se cravam no meu coração. Mereço tudo isto e pior! Faço este sacrifício por ti, Marco".

Proponho então uma série de medidas para demonstrar, ainda que de forma bastante simbólica, a nossa gratidão a Marco de Camillis:

O mês em que se celebra o aniversário de Marco de Camillis deverá passar a ser conhecido como Dia de Marco de Camillis e da Nação. Nesse mês decorrerão festividades ininterruptas e cada dia será dedicado a um estilo de dança. TODOS os portugueses deverão participar. Sentado num trono de ouro maciço revestido de diamantes de 200 m de altura e com um sistema de massagens, Marco de Camillis deverá assistir a esta exibição dos portugueses e terá o direito natural de fuzilar todos aqueles que não cumprirem os seus apertados requisitos de qualidade no que diz respeito à perfeição de execução. Todas as pessoas deverão oferecer a Marco de Camillis um presente (mínimo 1000 €). Sendo que nenhum desses presentes pode ser um serviço de louça da Vista Alegre nem, tão pouco, roupa. Marco de Camillis veste-se bem de mais para que escolham roupa por ele. Se estiverem a pensar dar-lhe roupa mais vale darem-lhe um cheque que ele depois escolhe. Os portugueses poderão até juntar-se em família, trocar presentes entre si e organizar festas e jantares em homenagem a Marco. Marco de Camillis será livre de invadir qualquer um destes jantares e a ele deverá ser dado o melhor lugar e a melhor posta de bacalhau se for caso disso. Terá direito de prima nocte sobre todas as mulheres portuguesas e também sobre todos os homens. Poderá fazer amor com quem quiser e a(s) pessoa(s) que for(em) escolhida(s) para tal será(ão) invejada(s) por toda a gente, já que isso será a maior honra a que alguém pode aspirar. Aliás, para alguém fazer amor com Marco de Camillis terá que tirar uma licenciatura e um mestrado para aprender as melhores maneiras de o satisfazer. Não se satisfaz o Mestre do pé para a mão. O feriado, até aqui conhecido como Natal, passará a ser algo equivalente ao Dia dos Finados. Nada deverá ofuscar o Dia de Marco de Camillis e da Nação.

A capital de Portugal até agora conhecida como Lisboa deverá mudar o nome para Camillia, Camilópolis, S. Camiliburgo ou Camiligrado. A cidade do Porto deverá passar a ser conhecida como Nova Roma em homenagem ao local onde Marco de Camillis nasceu e a cidade de Coimbra deverá ser conhecida como Nova Génova, em homenagem ao local onde este perdeu a virgindade, aos 7 anos, com um grupo de 20 mulheres suecas, com quem esteve a fazer amor ininterruptamente durante 5 dias seguidos e que acabaram completamente extenuadas contrastando com um impávido e sereno Marco de Camillis, que estava tão fresco como quando começou, embora menos virgem. As restantes freguesias do país deverão mudar o nome para algo relacionado com Marco de Camillis. Proponho que a minha terra natal, Ovar, mude o nome para Rumba. Se, assim o decidir, Marco de Camillis poderá mudar o nome de Portugal para Reino Unido do Camilistão ou para Portugallo, para se adequar melhor ao seu sotaque.

A população portuguesa deverá ser toda esterilizada, de maneira a que todos os novos portugueses sejam clones de Marco de Camillis.

O penteado e a barba oficial do país serão iguais aos envergados por Marco de Camillis (só aí subiríamos cerca de 87% em sensualidade). Esta regra deverá ser seguida não só pelos homens mas, também, pelas mulheres e Portugal deverá estabelecer um novo Acordo línguistico que permita mudar a fonética das palavras portuguesas de modo a que a maneira correcta de as pronunciar seja com o belo sotaque italiano de Marco de Camillis. Teremos 1 ano para aprender a executar correctamente este sotaque, sob pena de sermos fuzilados. Castigo mais do que justo para quem não compreende que tudo isto é para nosso bem.

Proponho que Portugal pressione diplomaticamente a Suécia (pressão essa que pode ter a forma de invasão militar caso eles não cooperem) de maneira a que a Academia deste país crie um novo Prémio Nobel, o Prémio Nobel da Fixeza (coolness) ou o Prémio Nobel Marco de Camillis, para ser entregue todos os anos a Marco de Camillis pelos seus feitos em prol da Humanidade. Todos os outros Prémios Nobel deverão ser também entregues a Marco de Camillis, a não ser que ele decida oferecer um Prémio Nobel da Química como prenda de aniversário a uma das suas concubinas.

O hino de Portugal deixará de ser cantado e passará a ser apenas coreografado por Marco de Camillis. Nos jogos de futebol e nas paradas militares, assim que começar o hino, cada pessoa deverá procurar um par e começar a dançar o hino. Por respeito à obra de Marco de Camillis, se o número de pessoas em questão for ímpar, a pessoa que sobrar deverá ser fuzilada por não ter interpretado devidamente o hino. Isto levará a que a selecção portuguesa passe a jogar apenas com 10 jogadores, visto que um jogador acabará por ser sempre fuzilado por falta de par. Isto não causará quaisquer problemas, visto que uma equipa constituída por 10 clones do Marco de Camillis poderá derrotar facilmente qualquer equipa do Mundo. Jogará também um futebol muito mais harmonioso.

Se fizerem questão que o hino continue a ser cantado, algo que não deve afectar muito Marco de Camillis visto que a música é uma das suas paixões, não haverá qualquer tipo de problema. Proponho a seguinte letra:

Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis.

Refrão
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis,
Marco de Camillis, Marco de Camillis.

Experimentem aplicar esta letra ao actual hino de português e vejam se não fica bem mais bonito.

Será construída uma estátua de ouro maciço com 10 km de altura no lugar do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre de Belém. Será também construída uma ilha artificial no Oceano Atlântico maior do que o território português com a forma da cara do Marco de Camillis. Só assim poderei almejar cumprir o meu sonho de criança, que é morar na ponta do nariz do Marco de Camillis. Pois é, fica aqui esta revelação: desde pequenino que o meu sonho é ser uma catota ou um macaco do nariz, como preferirem, do Marco de Camillis. Desde pequeno que invejo as suas excrescências nasais devido à sua proximidade com este Ser supremo.

Jamais isso acontecerá, a não ser que, tal como espero, alguém me desintegre até ficar do tamanho de um macaco do nariz, me pinte de verde e coloque no nariz do Marco de Camilllis. Enquanto isso não acontecer vou ter que me contentar em habitar o seu nariz na ilha artificial com a forma da sua cara. Nada mau!

No meio de tanta crise e de tanta mediocridade, é sempre bom termos algo a que nos agarrarmos. Marco de Camillis deu-nos isso e tornou-se na pessoa mais importante da vida de cada um de nós. É importante mostrarmos a nossa gratidão, ainda que esta seja insuficiente. É por isso que lutarei até à morte por esta causa.

Avé Marco de Camillis!

P.S. Devo acrescentar que apesar de genial esta ideia não é original. Roubei-a desavergonhada e descaradamente, qual vampiro, de uma conversa que tive com uns amigos.

"É este tipo de conversas que tens com os teus amigos?"

Sim!

segunda-feira, 30 de março de 2009

Summer Space/Time Continuum


Ontem mudou a hora... Acho piada ao conceito de mudança de hora. Estamos habituados a olhar para o espaço/tempo como duas dimensões contínuas, indissociáveis e constantes (até que apareceu Einstein a dizer que isto era tudo relativo... E isto é o máximo que eu consigo dizer sobre a Teoria da Relatividade...).

É engraçado por isso que num dia "mude" a hora... O que é feito dessa hora? Levaram-na para o Jardim Zoológico e deram-na de comer aos hipopótamos?

O que é mais revoltante que isto é que roubam-nos uma hora sem darem qualquer explicação (pelo menos que eu saiba... mas se existe é, de certeza, demasiado rebuscada para um homem do povo como eu perceber) e o que fazemos? Formamos uma mílicia e invadimos o centro da cidade munidos de archotes e cocktails molotov para exigir de volta o que é nosso? Não... Limitamo-nos a acertar ordeiramente os nossos relogiozinhos para garantir que não chegamos atrasados ao trabalho no dia seguinte... Mas o que é isto? Parece que ninguém percebe o impacto deste roubo?

E se era nessa hora que a nossa vida ia mudar? Já vi vidas a mudarem em menos tempo... E se era nesta hora que iriamos encontrar o amor da nossa vida? E se era nesta hora que iamos encontrar o pote cheio de moedas de ouro no fim do arco-iris? E se era nesta hora que a Humanidade ia deixar de lutar e, finalmente, decidir viver em paz? E se era nesta hora que alguém ia descobrir a cura para o cancro?

Nunca saberemos... Roubaram-na e nós não fizemos nada...

Já que se permite esse privilégio ao tempo de mudar de 6 em 6 meses... Porque não fazer o mesmo com o espaço? Aí sim, tinha piada... Todas as pessoas sabiam que, no dia em que a hora mudasse, iam ser desmaterializadas e teletransportadas para outro local completamente diferente... Passávamos a véspera a despedir-nos da nossa vida desses últimos 6 meses e a preparar-nos para uma vida completamente diferente, num espaço diferente e num tempo diferente...

Se fosse usada para o espaço a mesma lógica da mudança da hora que é avançar ou atrasar uma hora andaríamos indefinidamente a recuar e a avançar meridianos... Isto seria estúpido e já que se vai mudar alguma coisa ao menos que seja em grande! Já que vamos ser desmaterializados ao menos que valha a pena... Para quê passar pelo transtorno de uma desmaterialização para ir parar a Huelva?

É por isso que eu defenderia uma mudança radical da dimensão temporal e espacial. Por exemplo, chegando à meia-noite do dia 28 de Março de 2009 passaríamos automaticamente para as 17 horas do dia 16 de Fevereiro de 1982, num local completamente diferente (Tonga, por exemplo)... Teria muito mais piada do que andar aos saltinhos de hora em hora e de meridiano em meridiano.

Seria também uma maneira de distribuir melhor a riqueza no Mundo e de sermos mais tolerantes. Toda a gente saberia, literalmente, o que é estar no lugar do outro. E se não soubessem, seria melhor que se preparassem pois no dia da mudança do tempo/hora poderiam ir lá parar. Por exemplo, num dia podes ser o Bill Gates e, no dia seguinte, estás no Darfur a morrer à fome. Assim, da próxima vez que fores o Bill Gates vais mesmo ter que fazer alguma coisa... Não vás tu no semestre seguinte voltar ao Darfur...

Seria um dia de início e um dia de fim. Uma nova oportunidade de começar tudo de novo, uma libertação, uma dolorosa despedida. Teríamos mais emoção neste evento semestral do que a maioria das pessoas têm numa vida inteira.

Isto é muito estúpido...

terça-feira, 17 de março de 2009

Os Linces da discórdia


Segundo a Igreja Católica espanhola a vida humana está menos protegida do que a vida do lince ibérico. O que é que eu posso dizer perante isto? É verdade! É incrivel a quantidade de linces ibéricos que vemos aí todos os dias. É impossível irmos a um shopping ao domingo sem nos cruzarmos com centenas (milhares?) de linces ibéricos vestidos de fatos de treino, seguidos pelas suas irritantes e asquerosas famílias. A típica filinha de crias ranhosas e histéricas que nos invadem os restaurantes aos berros, impedindo-nos de saborear calmamente o nosso vol au vent. E ai de quem diga alguma coisa aos senhores linces ibéricos? Levam logo com uma rosnadela!

E isto para não falar da quantidade de seres humanos que estão a ficar sem emprego por causa dos linces ibéricos. Senhores empregadores, como é que é possível? Eles nem sequer têm polegar oponível!

E a maneira como os linces ibéricos se comportam no cinema? Sempre a comentar o filme para o lado, muitas vezes a revelarem o fim (porque provavelmente o viram numa cópia pirata, demonstrando uma completa falta de respeito pelos direitos de autor) e a mastigar ruidosamente as suas pipocas, impedindo todos os civilizados humanos de verem os seus filmes sossegados. Filmes esses realizados por humanos... Nunca vi nenhum lince ibérico a dar cartas na cultura... Isto porque provavelmente são inferiores a nós geneticamente (ops! Polémico demais... Felizmente tenho a igreja católica espanhola do meu lado!).

Fico chocado com a quantidade de linces ibéricos que andam a viver à custa dos nossos impostos. Um ser humano passa a vida a trabalhar e a dar no duro, para sustentar a sua família e para poder dar condições dignas aos seus filhos enquanto um lince ibérico prefere viver de subsídios que, invariavelmente, estoura no alcóol, enquanto o número de filhos aumenta proporcionalmente com o valor do cheque da Segurança Social.

Andamos a sustentar toda uma geração de linces ibéricos, convencidos que é obrigação dos humanos dar-lhes dinheiro, casa e comida. E qual é a paga? As crias deles crescem, para bater nos nossos filhos na escola e para lhes roubar o dinheirito que nós lhes damos para comprarem um croissant no intervalo. Isto é muito grave... Os linces ibéricos andam a roubar os croissants dos nossos filhos!

Felizmente existe a Igreja católica espanhola para nos alertar para estas coisas... Não sei o que faria sem a Igreja católica espanhola. Sinto-me tão em dívida para com eles que vou começar a ir à missa a Badajoz. A partir de hoje, as minhas esmolas vão todas directamente para a Igreja católica espanhola, Ao contrário da Igreja católica portuguesa que anda mais preocupada em proteger as nossas jovens dos muçulmanos, a Igreja Católica espanhola levanta problemáticas bem mais actuais e ancoradas na nossa realidade: o dano que os linces ibéricos estão a fazer à nossa sociedade já é quase irreparável, se não agirmos cedo não sei o que poderá acontecer...

Continuam cépticos? Vejam lá o que aconteceu ao meu amigo Serafim. A sua filha, de apenas 16 anos, e em quem o Serafim investiu muita esperança e dinheiro em colégios internos, num belo dia resolveu aparecer em casa grávida de um lince ibérico. Vocês não imaginam o drama! Ele bem tentou que ela abortasse, mas todos sabemos como a sociedade protege a vida do lince ibérico e entre burocracia e ameaças de prisão não o conseguiu fazer. Hoje tem um bebé híbrido em casa, meio homem, meio lince ibérico, o pai pirou-se e não paga a pensão alimentar e a miúda, a quem se augurava um grande futuro, tem a vida destruída. Escusado será dizer que não tem muitas expectativas em relação ao puto, o Wolverine, que é tão fácil de aturar como uma gata que está todos os dias com o cio... Raro é o dia em que ele não chega todo arranhado ao trabalho...

É preciso fazer alguma coisa! Não é que eu seja racista... Até já conheci linces ibéricos impecáveis... O meu jardineiro é um lince ibérico e não tenho nada a dizer, inclusivamente é o primeiro a sentir-se mal com a imagem que os seus camaradas deixam. É o primeiro a controlar o ronron para ninguém perceber que ele é um lince ibérico, apesar de aquele bigode não enganar ninguém...

No tempo do Salazar até dava gosto andar pelas ruas de Portugal, todas bonitinhas, todas arranjadinhas, flores nas varandas... Agora, desde esta invasão de linces ibéricos, está tudo destruído. As paredes cheias de marcas de unhas (queria vê-los a afiar as unhas nas paredes das casas deles), os semáforos cheios de linces ibéricos a quererem limpar-nos o pára-brisas (não só fazem um mau serviço como ainda nos arranham os vidros), a impossibilidade de andar à vontade na rua sem o medo de ser atacado a qualquer momento por um lince ibérico (já não saio de casa sem a minha pistola de tranquilizantes)...

Enfim, se têm algum respeito pela vida humana, apoiem a Igreja católica espanhola nesta iniciativa. Eles que já tinham acertado na mouche com aquilo da Inquisição. Eles que não têm medo de pôr o dedo na ferida. Essa ferida grande, maligna, viscosa e nauseabunda que é o lince ibérico.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Kurt Cobain


Sabem aqueles dias em que estão mesmo, mesmo, mesmo a pensar em cometer o suicídio? Se isto vos passar pela cabeça é muito pouco provável que não cheguem ao dia seguinte...

É que, normalmente, o suicídio implica a morte. São duas coisas indissociáveis, como os pacotes de cereais e os brindes, como uma testemunha de Jeová e outra testemunha de Jeová, como Mirandela e alheiras, como a religião e o inconformismo com a fragilidade da vida, como o choro desalmado e o filme ET, como brilhantina e o cabelo do John Travolta nos anos 80... Não pensem que se suicidam e que a vida continua.

Compreendo que o suicídio possa ser um óptimo programa de sábado à noite, melhor até do que muitas discotecas e com um consumo mínimo obrigatório bem mais baixo, mas não o cometam sem pensar nas consequências. E a principal é o fim da vida. Tem um lado positivo, não há qualquer tipo de ressaca, fica logo ali. E tendo em conta este aspecto, poderia permitir um domingo mais calminho do que aquele último em que passaram o dia a vomitar e a agonizar de dores de cabeça e a beber guronsan ao mesmo ritmo a que um economista falha previsões... Poderiam passar uma excelente e calminha manhã de domingo... Se estivessem vivos, claro... O que é incompativel com o acto de mandar um tiro na cabeça na véspera...

Há outras maneiras divertidas de passar os sábados à noite e que não implicam a nossa própria morte... Crochet... Ler o D. Quixote em falsete... São só sugestões...

"Vou suicidar-me para não ter que me preocupar mais com os meus problemas"

Sim, senhor, muito bonito. De que serve não teres que te preocupar com os teus problemas se não vais poder desfrutar da libertadora sensação de os teres resolvido por estares morto? Sim, não vais ter que te preocupar com os teus problemas (aquela traição da namorada foi, realmente, muito chata, devo admitir), mas de que é que isso vale? É que nem sequer é uma libertação do tipo: "Yupi! Estou livre!" é uma libertação do tipo: (vazio) (imaginem que neste momento estou a imitar um Mimo a pairar no vazio). É o nada. Vais trocar uma mão cheia de problemas por uma mão cheia de nada...

Digo-te uma coisa, se me dessem uma mão cheia de nada, ponderava seriamente o suicídio...

Deixo-vos aqui este vídeo com esta parelha improvável:



Adoro quando o Ricky Gervais acusa o Elmo (ou Telmo, em português) de não abdicar dos honorários... Ou quando lhe pergunta se ele sabe o que é necrofilia. Ou quando o pequeno Elmo pergunta à entrevistadora quando é que esta perdeu o controlo.

Vejam também o episódio do Daily Show, em que o Jon Stewart entrevista um tal de Jim Cramer. Este Jim Cramer é o apresentador de um programa de economia na MSNBC e foi um dos alvos das investidas de Jon Stewart contra os jornalistas da área de Economia que, segundo ele, foram coniventes com todos os esquemas perversos que levaram a esta crise. Ele tem razão em tudo o que diz e subscrevo inteiramente as críticas que ele faz a estes lambe-botas. Em vez de informarem as pessoas preferiram dar graxa aos CEO's, quando sabiam perfeitamente tudo o que se estava a passar... Infelizmente este é só um dos casos em que os media abdicam da sua responsabilidade social.

Aqui explica tudo o que se passou e algumas das reacções...

Quanto ao programa, podem vê-lo no site da Comedy Central que disponibiliza todos os episódios completos do Daily Show e do Colbert Report.

Será que é um humorista que vai salvar o Mundo?

segunda-feira, 9 de março de 2009

Wham Bam Thank You Ma'am




- Sabes qual é o melhor andar de um prédio para se atirar um gato?

- Não faço ideia... Prefiro atirar gatos de precipícios... Não tenho a noção, em termos de andares, a que é que a altura dos precípicios de onde atiro gatos corresponde...

- Tu és doentio! Porque é que fazes isso?

- Não sei... Talvez pela adrenalina...

- Pela adrenalina? Tu ficas sossegadinho no cimo do precípico a ver os pobres dos gatos a cair... Que emoção é que isso te dá? De que raio de adrenalina é que estás a falar?

- Não é por mim... É pelos gatos... Eles é que me pedem... No outro dia, estava a conversar com um gato sobre o "Ulisses" do James Joyce...

- Sobre o "Ulisses" do James Joyce? Mas tu nunca leste o "Ulisses" do James Joyce!

- Pois não! E o gato também não... Estávamos a comentar o quão erudito alguém tem que ser para ler o "Ulisses" de James Joyce. É uma obra muito densa... E relata apenas 24 horas do dia de um tipo chamado Leopold Bloom... O dia 16 de Junho... E foi quando ele me pediu para eu o atirar do precipício...

- Ele pediu-te? Porque é que não se atirou ele próprio?

- Aí é que está a questão... Os gatos sabem que têm 7 vidas mas, entre eles, é muito mal visto alguém andar a desperdiçar vidas. Ao que parece encaram a vida como algo que não deve ser desperdiçado... Manias de gatos... Então pedem aos humanos para fazerem isso por eles. Como vês, não é por mal que eu atiro gatos de precípicios....

- Estou a ver... És então uma espécie de mercado negro dos gatos... Eles não podem desperdiçar vidas então tu ofereces-te para lhes tirar...

- Mediante pagamento...

- Mediante pagamento? Como é que eles te pagam? Dinheiro? Comida?

- Nada de especial... Deixam-me ficar a ouvi-los ronronar... Tu sabes que eu adoro o ronronar dos gatos... Com isto, já começo a ser conhecido no Mundo dos gatos... "Criador de emoções" é o que me chamam...

- É incrivel a maneira como conseguiste transformar, de um momento para o outro, uma crueldade num belo acto de altruísmo...

- Sempre tive esse dom...

- De facto... Uma verdade inquestionável... Estava eu a perguntar-te, sabes qual é o melhor andar de um prédio para se atirar um gato?

- Não...

- Qualquer andar acima do sétimo!

- Estás a dizer-me que atirar um gato do 8.º andar e outro gato do 44.º andar é exactamente a mesma coisa?

- Sim... Os gatos têm uma velocidade terminal não fatal, entre os 60 e os 100 km/h. Quando abrandam conseguem orientar-se, esticar-se e cair em pára-quedas, como um esquilo... É praticamente indiferente a altura de que caem, desde que tenham tempo para desencadear este dispositivo de segurança...

- O que é isso de velocidade terminal?

- É o ponto no qual o peso de um corpo se equilibra com a resistência do ar e pára de acelerar... Nos humanos é de cerca de 195 km/h...

- O que é irónico é que eles podem magoar-se mais se cairem de uma altura menor do que alturas menores...

- É irónico, realmente... É porque não têm tempo de abrir o pára-quedas...

- "Abrir o pára-quedas"... O teu sentido de humor sempre foi admirável! Desde pequeno que és a única pessoa que me faz rir com vontade... Lembras-te quando tínhasmos 10 anos e fomos ao Zoomarine?

- Claro que me lembro! Que dia inesquecivel...

- Nunca mais me esqueci daquela piada que mandaste quando viste a arara a andar de bicicleta... Assim que ela apareceu tu disseste: "Olha! Lá vai o Vitor Gamito com a camisola amarela...". E a arara era, de facto, amarela e bastante parecida com o Vitor Gamito... Ainda hoje me rio só de pensar nisso... Foi a piada perfeita...

- Puto, são momentos destes por que vale a pena viver... Sempre fui um criador desses momentos embora, paradoxalmente, sinta falta deles na minha própria vida...

- Desde quando é que me chamas "puto"? Pareces um beto de Cascais... Não me chames mais isso, ouviste?

- OK! Foi sem querer... Desculpas-me!

- Claro!

- Sabes o que é um dodó?

- Sei... Era uma ave, encontrada pelos portugueses nas Ilhas Maurícias, que se extinguiu graças à rápida destruição do seu habitat... O nome dodó vem de "doudo" devido ao seu aspecto desengonçado e ao facto de não demonstrarem medo dos humanos... Parecem bichos bem interessantes... Gostava de ter um dodó...

- Não podes... Está extinto...

- Isso ainda me dá mais vontade de ter um dodó...

- Infelizmente não podemos ter tudo aquilo que queremos... Eu também gostava de ter uma girafa, mas a minha garagem não é suficientemente alta...

- Eras capaz de pôr um animal selvagem como uma girafa a viver na tua garagem...

- Não! A garagem era só para ela dormir e para ninguém a roubar durante a noite... Durante o dia deixava-a à solta!

- Mas tu vives no centro da cidade...

- E?

- Achas viável ter uma girafa à solta no centro da cidade? No meio dos carros, dos transeuntes, da azáfama e da decadência típica da cidade onde vives... Sujeita a embarrar com o pescoço num fio de alta tensão e a morrer electrocutada...

- Elas são um animal simpático e bastante inteligente... De certeza que se ia desenrascar bem... Ao contrário do teu papa-formigas...

- O meu Joaquim não é para aqui chamado! O problema foi o timing em que eu o adquiri... Porque é que eu o comprei precisamente na altura em que a minha mãe ganhou num sorteio um fornecimento vitalício de insecticida? Ninguém precisa de um papa-formigas quando tem um fornecimento vitalício de insecticida... E acho que essa é a principal razão pela qual ele morreu à fome... Como é que ias alimentar a tua girafa?

- É fácil! Fazia um elevador e aplicava-lhe uma gamela gigante, ajustável à altura do pescoço da girafa...

- Bem pensado! Agora que penso melhor essa tua ideia de ter uma girafa não é tão má quanto isso... É um animal bem giro, a girafa... Sabes que gosto de ti, não sabes?

terça-feira, 3 de março de 2009

Só para não dizerem que eu não escrevo nada...

Não que tenham ido para a porta de minha casa de caçadeira na mão a exigir explicações por eu não ter escrito nada... Embora deva admitir que gostava de ter esse tipo de atenção da vossa parte... Porque é que ninguém vem para a porta de minha casa de caçadeira? É algo para vocês ficarem a pensar.

Às vezes um blogger precisa deste tipo de mimos para continuar... A motivação não vem só de dentro de nós, estes pequenos incentivos também são muito importantes...

Qualquer pessoa que tenha um blog sonha, um dia, aparecer nos meios de comunicação social por ter sido baleado por uma horda de leitores enfurecidos (e escusam de negá-lo porque já estudei profundamente esta questão)... É completamente legítimo pensar assim! Em que é que o Nino Vieira é melhor do que nós? Já começo a deixar de acreditar que isso venha a acontecer mas ainda alimento a esperança de ir a passar na rua e levar um calduce. É o mínimo que podem fazer por mim...

Deixo-vos aqui um vídeo com a entrevista mais genial de todos os tempos... Consegue ser mais hilariante do que qualquer coisa que envolva o Pôncio Monteiro! Consegue ser mais hilariante do que o Pôncio Monteiro no Bolhão de peruca loura a recitar a Odisseia em francês, vestido de texugo, enquanto dá palmadinhas no rabo a um Pinto da Costa disfarçado de castor a roer um inhame cru.

Um espectáculo que já começa a cansar. É óbvio que não deixa de ser hilariante mas, da maneira como o repetem até à exaustão já começa a enjoar um bocado. Pelo menos, já trocavam de disfarces. Gostava muito mais de ver o Pinto da Costa a levar palmadinhas no rabo vestido de babuíno... E o Pôncio Monteiro, ou melhor, o Dr. Pôncio Monteiro ficaria extremamente charmoso disfarçado de Suricate... Mas isto são gostos...



Os Sigur Ros são os maiores a dar entrevistas... Há, neste vídeo, toda uma conjugação de factores que fazem desta a melhor entrevista do início deste milénio: o jornalista, com as suas questões fechadas (que estava a pedi-las), a definição, por parte do vocalista, do dialecto que supostamente criou como "fucking bullshit", a maneira como o grupo vai validando as afirmações/questões do jornalista com simples "Sim, é isso...", a desvalorização do seu reconhecimento na Islândia (um país com apenas 300.000 habitantes)... É dos melhores momentos de embaraço que já vi!

sábado, 28 de fevereiro de 2009

A grandeza do Universo


Quando olhamos de uma falésia para o horizonte, para todo aquele mar, sentimo-nos pequeninos em relação à grandeza da Natureza e de todo o Universo. E, quando nos sentimos assim, pequeninos, do tamanho de formigas, do tamanho de grãos de areia, do tamanho de átomos, só precisamos de ver um congresso partidário para nos sentirmos grandes outra vez...

O que me irrita na natureza é a sua mania de nos fazer pequeninos... Quando fazemos algo de grandioso como um edíficio de 100 andares lá vem a natureza com um terramoto e pumba! Quando achamos que duramos muito se vivermos 100 anos lá vem a natureza com aquele facto inquestionável de que 100 anos, em termos universais, não equivalem à pintinha de um "i" no grande livro de milhões de biliões de páginas que tem a história do Universo.

É por isso que, quando vemos coisas baixas e reles como um Congresso Partidário, a nossa auto-estima sobe. Afinal, até temos alguma grandeza. A grandeza de não andarmos metidos naquelas embrulhadas. A grandeza de sabermos que, à beira do Universo, contamos tanto como um pequenino e insignificante átomo de uma bactéria que habita no sistema digestivo de um ácaro, que por sua vez montou residência no colchão de um indivíduo chamado Edmundo que, apesar de ter muitos defeitos, nem sequer é alérgico a ácaros (talvez sejamos um pouco menos do que isso)... A grandeza de não nos andarmos a armar em grandes, a dar lições de arrogantes púlpitos, com arrogantes slogans como se fôssemos deuses do Universo...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Bombástico: notícias de família



Recebi esta carta do meu primo Juan José Ramirez de Gallardo III. Ele é das FARC mas gosta de dar uma perninha na Jihad no Afeganistão para "desentorpecer os ossos". Iria jurar que já tinha morrido mas, finalmente, tive notícias dele:

Caro Sérgio,

Como já vem sendo hábito resolvi dar um saltinho à Bienal de armamento no Abu Dhabi. É a minha bienal preferida, logo a seguir à Bienal da Droga em Bogotá, à Bienal da Corrupção em Harare e à Bienal dos Melões em Almeirim.

"O que é que droga, armas e corrupção têm a ver com melões?"

Nada. Posso ser um facínora e gostar de melão com presunto antes de uma matança á moda antiga, não posso? Obrigado!

Adoro o ambiente criado em torno desta Bienal em que ditadores de pequenos países, guerrilheiros de pendor marxista, ultra-nacionalistas, mercenários, traficantes de droga, mafiosos, fundamentalistas islâmicos, taxistas entre outros maltrapilhos se juntam em harmonia para apreciar aquilo que mais os une: a violência pura e dura. Não há nada mais bonito do que ver um neo-nazi abraçado a um guerrilheiro Ruandês em puro êxtase perante a emoção da apresentação de uma nova anti-aérea. São impagáveis as suas caras de felicidade, enquanto imaginam a próxima aldeia que vão massacrar ou o próximo assassinato político.

São estas pessoas que, de Kalashnikov, na mão escrevem a nossa história. São o "tudo perdido" da célebre constatação: "isto está tudo perdido". São o "alguém" da interrogação: "como é que alguém pôde fazer isto?". São o "filho da puta" da expressão: "Quem foi o filho da puta que chacinou a minha família?". São um grupo de tipos castiços, com queda para a bebida que só quer passar um bom momento. Há quem diga que são perigosos... Eu acho que são simpáticos... E danados para a brincadeira...


Enquanto passeava pelo certame, um emocionado ditador dirigiu-se a mim e, embargado pela emoção, descreveu-me minuciosamente o que é que as sua recém adquirida bazuca faria ao seu principal opositor. São estas pequenas coisas, como a felicidade estampada no rosto deste pequeno homem, que fazem com que a vida valha a pena.

Por azar dele, o opositor que ele pretendia desfazer aos bocadinhos tinha-me pago uns trocos para o executar. Foi logo ali. Ao menos morreu feliz.


Esta bienal não vale apenas pela oportunidade de conhecer as últimas novidades na área do armamento. Vale pelas demonstrações. Em que outra ocasião teríamos a oportunidade de disparar um míssil teleguiado contra uma vaca? Em nenhuma, visto que jamais gastaríamos munições tão caras numa vaca. Mas acreditem que é um espectáculo fantástico. O "esfrangalhar" da vaca, como nós lhe chamamos, é um espectáculo único, muito diferente do "esfrangalhar" do ser-humano (é mais chicha) e é impagável a chuva de bifinhos de picanha na plateia, que se sucede a cada demonstração. Os clientes mais habituais já levam um pratinho com arroz, feijão preto e farofa para acompanhar esta picanha voadora que, se tem vindo a transformar numa especilidade da Bienal de Armamento. Devido à potência do armamento usado este ano estava bem passada demais para meu gosto, mas ainda assim é um espectáculo imperdível!

Impagável também é a oportunidade que esta bienal nos proporciona para a troca e partilha de conhecimento. É a única maneira que temos de sair dos nossos covis e aprender com os maiores peritos mundiais em áreas como a tortura, a lavagem cerebral, técnicas de manipulação da opinião pública ou falsificação de resultados eleitorais mesmo nas barbas dos inspectores da ONU. Saímos de lá pessoas diferentes e ansiosos para aplicar todas as novas técnicas que aprendemos. Quantas e quantas vezes tive eu de me conter para não começar a torturar o indivíduo que se sentou ao meu lado no avião? Eu sei que me percebes... Isto da violência é uma coisa de família...

Enfim, escrevo para te dizer que está tudo bem. Jamais me esquecerei da família e como ouvi dizer que estavas desempregado venho pôr-me à disposição para te arranjar qualquer coisinha para fazer. Em tempos de crise não há melhor negócio do que o da violência por isso podes contar comigo para te abrir portas, nem que seja à bomba! Envia-me o teu Curriculum Vitae que, não tarda nada, dizem-te alguma coisa. Ouvi dizer que os antigos dirigentes associativos têm muita saída neste negócio.
Manda cumprimentos aos teus pais!

Um grande abraço e três beijos na face deste teu primo que te adora,

Juan José Ramirez de Gallardo III aka "El Portugués"

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Spot the lies

A Mona Lisa lançou-me um novo desafio e, desta vez, o objectivo é dizer 9 coisas sobre mim, sendo que 3 são mentira:

«Você diz 9 coisas aleatórias a seu respeito, não importando a relevância.Tendo de ter 6 verdades e 3 mentiras. Quem receber o Meme, deverá postar as 3 coisas que acha serem as mentiras do blogueiro que lhe passou o Meme».

Mona Lisa, se não te importas, vou traduzir:

"Dizes 9 coisas aleatórias a teu respeito, não importando a relevância: 6 verdadeiras e 3 falsas. Quem receber o Desafio (confesso que não sei bem qual é a tradução da palavra "Meme"), deverá postar as 3 coisas que acha que são mentira da pessoa (pessoa é uma boa tradução para "blogueiro", no fundo somos todos pessoas, acho eu. Com excepção do Pacheco Pereira conheço poucos blogueiros que não sejam pessoas) que lhe passou o desafio".

Este era dos difíceis já que não tenho muito mais do que 7 coisas para dizer sobre mim. Lá me esforcei e aqui vai:

1. Adoro astrologia e lanço cartas tarot.

2. Estou habilitado para ser instrutor de Yoga.

3. Sou bastante talentoso na área da culinária e presenteio, frequentemente, os meus amigos com belas refeições de comer e chorar por mais.

4. Sou um excelente dançarino e já venci campeonatos regionais de danças de salão.

5. Dizem-me frequentemente que, em termos de personalidade, sou igualzinho ao Nelson Mandela.

6. Só não sou profissional de hipismo porque me lesionei gravemente no joelho direito.

7. Tenho um familiar próximo que é protagonista de um conhecido livro.

8. Tenho 3 tatuagens e nenhuma delas é de um golfinho.

9. Passei um mês numa prisão da Turquia.

Conseguem adivinhar quais são as 3 mentiras?

Sobre as respostas da Mona Lisa já sei que aquilo do Cristiano Ronaldo é mentira. Vou continuar a apostar na das tardes da Júlia... Recuso-me a acreditar que passas uma tarde inteira a ver as tardes da Júlia por mais que digas que é verdade... A terceira é a da pepsi... Foste muito específica com isso da pepsi com gelo... Ninguém diz que bebe ou deixa de beber pepsi. Bebe-se coca-cola e pronto! Detesto quando os empregados de mesa me dizem "não temos coca-cola, só pepsi", como se eu fosse responder "Ah! Então traga-me antes um carioca de limão"... Não faz sentido nenhum! É óbvio que se quero uma Coca-cola não é por eles só terem pepsi que eu vou deixar de querer...

Passo este desafio a toda a gente que nasceu a uma 2.ª ou a uma 4.ª ou a uma 6.ª e cujo nome próprio tenha a letra "A". É bom que o façam, senão fico ofendido! E suicido-me...

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O Mundo encantado dos corruptos



Este blog interrompe a sua emissão habitual para falar um pouco sobre um assunto sério que anda a massacrar a cabeça ao seu autor, ou seja, eu.

Deixo aqui estas três notícias:

Ex-presidente de associação de estudantes processada por desvio de fundos (IOL)

Ex-presidente de associação de estudantes diz-se tranquila (Sol)

Controvérsia marca eleições na Faculdade de Letras do Porto (vídeo de notícia da RTP)

Segundo os resultados de uma auditoria externa entre má gestão e. possivelmente, corrupção a Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da UP foi lesada nuns bons milhares de euros... Nada que me surpreenda, não só porque fui dirigente associativo mas porque a pessoa em questão é uma velha conhecida.

A propósito de um post em que assumi explicitamente o meu passado associativo discutiu-se a má imagem dos dirigentes associativos na sociedade e eu acabei por concordar que, de facto, essa imagem tem razão de ser. Estas notícias vêm comprovar isso mesmo. Por mais que lutemos, por muito que façamos, por mais coerentes que procuremos ser haverá sempre casos destes a manchar a reputação de quem leva o associativismo/voluntariado a sério.

Muito pior do que a destruição da imagem dos dirigentes associativos são as conclusões que podemos tirar deste tipo de coisas. Estou convencido que a minha (nossa) geração não vai contribuir com muito mais do que este tipo de escumalha para o desenvolvimento da sociedade. Não me estou a referir à menina da notícia, porque essa, em termos políticos já está queimada demais para ser mais do que Presidente da Junta. A sua inteligência também não lhe permite almejar voos mais altos (será uma bem sucedida empresária da noite e pouco mais, mas já nem digo nada)...

Se o Mundo não acabar entretanto por causa do aquecimento global ou por nos termos comido uns aos outros ou se Deus me der saudinha para chegar até lá, quando tiver 50 anos vou olhar para o passado e sentir vergonha da minha geração. Estamos a deixar para trás as pessoas com valor, em detrimento dos graxistas, dos lambe-botas e dos corruptos. A bajulação é valorizada em detrimento da coragem, da rebeldia e da genuinidade. Somos uma geração de meninos das jotas que nunca fizeram nada pela vida e que através de falinhas mansas, facadas nas costas e favores mais ou menos lícitos conseguiram subir por aí fora até se tornarem "cidadãos respeitáveis". Cidadãos que vão ter assento nos Conselhos de Administração das empresas e estabelecer contacto com as mais altas individualidades, desde o Presidente dos EUA, passando pelo papa, até à Máfia Napolitana. São esses meninos que vão conseguir ter tanto dinheiro que vão comprar a sua própria justiça, como quem vai ao Supermercado comprar latas de atum. São esses meninos que vão subindo uma escada de favores de outros meninos, num esquema pirâmide em que a base somos todos nós. São esses meninos que vão premiar outros meninos como eles e perpetuar esta selecção natural, em que só o mais forte subsiste. Sendo que, neste caso, ser mais forte significa ter uma coluna vertebral que lhe permita aguentar com todo o tipo de falcatruas ou ter um sono tão pesado que lhes permita adormecer com o peso de que se está a contribuir para uma entropia acelerada do Mundo. Eles sabem-no bem, mas não lhes importa. Só eles interessam e, comparado com isso, o Mundo é muito pequeno.

Atiram-nos todos os dias areia para os olhos, alegando que vivemos num Estado de direito democrático. Permitem-nos escolher, de 4 em 4 anos, entre vários "líderes". Independentemente da maneira "democrática" como estes foram eleitos, quer esta tenha sido através de votos de militantes arranjados à pressa e a quem alguma alma mais voluntariosa pagou as quotas via Multibanco na véspera das eleições, quer este tenha sido através de umas eleições, previamente combinadas, em que o voto é feito de braço no ar.

Vivemos numa sociedade em que, se chamarmos as coisas pelos nomes, corremos o risco de levar com um processo em cima. Se chamar corrupto a um corrupto é difamação, chamar político a um corrupto é pleonasmo.

As pessoas com valor, inteligentes, com princípios, com uma vontade genuína de fazer alguma coisa acabam por se afastar com a certeza e a frustração de que isso é algo impossível. Este sistema acaba por transformar aqueles que têm valor em pessoas frustradas, revoltadas e alienadas.

E é a esses que eu apelo. Temos que nos mexer. Sendo cidadãos activos e com impacto dentro da nossa comunidade ou do nosso emprego. Sendo sempre coerentes e não compactuando com coisas em que não acreditamos, por muitos dissabores que isso nos traga (e normalmente traz muitos). Cultivando-nos intelectualmente e emocionalmente, tornando-nos assim mais cultos e mais fortes para lidar melhor com a mediocridade que vai estar acima de nós e para defender os direitos de quem está abaixo e que não tem as mesmas oportunidades que nós.

Aos bocadinhos conseguimos mudar alguma coisa. Não podemos é ser coniventes com as tretas que nos impingem todos os dias: "Ele roubou? Claro... Toda a gente faz, ele é só mais um..." ou "Eu não vou votar porque eles são todos iguais e não acredito que mude alguma coisa". Irrita-me que haja pessoas que se acomodam na evidência de que isto está mau e que dificilmente vai mudar. Todo este sistema vive desta atitude, desta passividade destrutiva. Independentemente da sua cor, cada deputado que entre na Assembleia da República com o espírito de missão e o orgulho de que se está a contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, é um tiro neste sistema corrupto. O mal dos nossos políticos é que o nosso bem-estar é a última das suas prioridades. Um cargo na Comissão Europeia, um tacho no Conselho de Administração de uma empresa pública ou o cargo de CEO de uma empresa com que se negociou enquanto se esteve no poleiro estão bem à frente do nosso bem-estar na lista de prioridades dos nossos políticos.

Apesar de ser difícil, temos a obrigação de ser tolerantes com quem pensa de maneira diferente e aproveitar essa divergência saudável para fins construtivos. As opiniões diferentes não nos devem separar porque se estivermos a lutar para o mesmo fim, as nossas diferenças só nos vão enriquecer. Aquilo que nos deve separar de alguém é o desrespeito pelo princípio ético universal que nos guia e que é (ou devia ser) o pilar da nossa sociedade: a liberdade. A liberdade pressupõe o respeito pelos outros, a igualdade de direitos, a justiça... Será que somos livres hoje em dia? Ou a liberdade não passa de uma palavra bonita escrita num livro que ninguém respeita?

Para sermos verdadeiramente livres não podemos permitir que nos desrespeitem. E o desrespeito não é uma piada, uma boca ou um comentário desagradável. Desrespeito é quando, deliberadamente pisam os nossos princípios e tudo aquilo em que acreditamos à nossa frente. Não reagir a isso é entrar em incoerência. É ser conivente com essas atitudes, é deixarmos de ser nós próprios.

Acho que todos já passámos por isso. Eu já, pelo menos. E é das piores sensações que existem, já que, inevitavelmente, odiamo-nos a nós próprios. Temos é que aproveitar esse mal-estar para nos tornarmos pessoas melhores, porque sentirmo-nos mal com as nossas incoerências, é a prova de que ainda sentimos. É uma mensagem da nossa consciência a dizer-nos que não estamos a agir bem. É o sistema de segurança que nos permite avançar como Homens. A partir do momento em que deixamos de nos sentir mal é porque vendemos a alma. É sinal de que nos acomodámos aos "benefícios" de engolir sapos. É sinal que nos transformámos numa das rodas dentadas deste relógio distorcido, que avança apenas para destruir tudo o que nos rodeia.

Neste momento não tenho grandes esperanças na minha geração. Conheço muita gente que pode fazer a diferença. Espero que encontrem um furo no sistema que lhes permita superar os meninos das jotas. Ou então, que o sistema se auto-regule e, de um momento para o outro, tome consciência que assim não vamos a lado nenhum...

E foi um desabafo... Normalmente sou mais optimista, mas estou mesmo fodido...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Perspectivas de futuro ou Guia para a Felicidade




Agora que estou prestes a ficar sem emprego é tempo de pensar no futuro. E todo um leque de de oportunidades se abre diante de mim.

Antes de abordar o meu brilhante futuro e para esclarecer qualquer mal-entendido que possa haver, devo desejar as melhores felicidades ao chimpanzé que me vai substituir:

Meu caro Barnabé, tenho a certeza que tudo vai correr pelo melhor. Tenho a certeza que, como chimpanzé bem treinado, vais ter bastante mais sucesso do que eu a desempenhar as minhas (e agora tuas) tarefas. Acredito que se te empenhares a sério ainda consegues chegar a director. Sem ressentimentos!

Não podia deixar o Barnabé a pensar que a nossa relação vai mudar só porque ele me tirou o emprego. Não sou daqueles humanos que culpam os animais por ficarem com os seus empregos. Os animais são essenciais para o desenvolvimento do país e, ainda por cima, aceitam trabalhos que os humanos não aceitam. Qual era o humano que gostava de ganhar a vida a puxar uma carroça? Qual era o humano que gostava que lhe dessem hormonas desde pequenino para crescer rápido a fim de servir para a alimentação de outros? Aí já não se importam, mas quando um animal luta por uma vida um pouco melhor do que a que tem já vêm para a rua gritar "animais, vão para casa".

Aceito, com todo o fair play, que um chimpanzé tenha ficado com o meu trabalho! E devo admitir que tem potencial para o desempenhar com uma maior competência.

Sobre o meu futuro, como já disse, não faltam oportunidades:


Ir para o Brasil gravar uma cassete com versões forró das músicas dos Abba

Sucesso garantido! Tenho a certeza que, em pouco tempo, o Mundo cantará, dançará e karaokerá o "Mamãe Minha" ou o "Rainha Dançante".


Destronar a google como líder da internet

Apesar de não ser tão aliciante como gravar êxitos dos Abba versão forró é capaz de dar algum dinheirito. O plano passará por fazer um motor de busca melhor, mais potente e mais inovador do que o Google. É daqueles planos tão simples que o falhanço é impossível. Mesmo assim elaborei um plano B que é contentar-me com o 2.º lugar. Não é tão bom mas monetariamente é igualmente aliciante...


Ganhar o prémio Nobel

Nada me fará ter mais sucesso junto do sexo feminino do que um prémio Nobel. Nunca vi um Prémio Nobel a queixar-se da sua vida amorosa, com excepção do Prémio Nobel da Economia de 1973 (chato, feio, mau hálito) e da Madre Teresa de Calcutá. É por isso que quero ganhar um Prémio Nobel. Ainda não sei qual... Talvez o da Física. Parece-me o mais fácil, até porque ultimamente ninguém tem feito nada de jeito nessa área. Para isso, tenho que fazer duas coisas: tirar o curso de Física (não sem antes ter explicações de Física do 12.º porque vim de Humanidades) e, depois, criar um paradigma que revolucionará a Ciência nos próximos 100 anos. Se Einstein e Newton conseguiram, porque é que eu não hei-de conseguir? Não sou menos do que eles e até tenho mais estilo... Já me estou a ver a entrar na discoteca, a subir à coluna e a sacar da medalha... O mulherio todo a entrar em estado de loucura e a pedir-me para recitar o discurso da cerimónia... Pode ser até que tenha oportunidade de conhecer a Merche Romero! Vale a pena ganhar o Nobel, acreditem...


Fazer algo altruísta

É óbvio que a vida não pode ser só dinheiro, sucesso e mulheres. É por isso que tenho que fazer algo altruísta como tornar-me um Médico Sem Fronteiras.

Ah! Mas tu não és médico...


Pois não, mas já tenho solução para isso...

Lá vem ele com a piada de que tem um plano de duas fases que passa por tirar o curso de Medicina e depois tornar-se médico sem fronteiras... Pelo menos é mais realista do que a questão do prémio Nobel, embora igualmente estúpido...

Enganas-te, não vou tirar curso nenhum de Medicina... Não preciso...

Não precisas? Como é que vais ser Médico Sem Fronteiras sem seres Médico?

Eu explico-te... Os Médicos Sem Fronteiras, normalmente, andam por sítios em que a vida das pessoas está por um fio. Dificilmente sobreviverão. Precisam apenas de uma palavra de esperança, de alguém que se preocupe genuinamente com eles e de antibióticos. Perante a morte, eu, como Médico Sem Fronteiras, só teria que fazer um ar abalado e, de lágrima no canto do olho, dizer emocionado:

- Voltámos a perder uma vida... Mesmo não querendo apegamo-nos sempre a esta gente...

E depois disto, disparar um grande e pertinente discurso sobre a merda de sociedade que permite que estas coisas aconteçam... Ocasionalmente teria que abrir uma pessoa ou outra a meio com o bisturi para provar que percebo do assunto... E até pode ser que consiga salvar algumas, já que sei mais ou menos onde está o apêndice... Tenho a certeza que a Angelina Jolie vai ficar impressionada...


Realizar um sonho de criança

Que melhor altura do que esta, em que estou sem emprego, para realizar um dos meus sonhos de criança? Pois é.... Vou aproveitar para me tornar jogador do Benfica. Estou convencido que, mal o Rui Costa me veja a dar um toque numa bola me contrata... Só tenho que ir para a porta de casa dele com uma bola, esperar que ele saia, dar dois toques e assinar o contrato. O Aimar que se cuide... Se pensarmos bem nesta questão, se houve pessoa a quem o chimpanzé tirou o emprego foi o Aimar... Este meu pezinho direito não perdoa...


Ser mais rápido, mais forte e chegar mais alto

Gostava de ganhar mais de 20 medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres, destronando o Michael Phelps como o atleta mais medalhado de sempre. Como os Jogos são só em 2012 ainda tenho mais do que tempo para me preparar...

Já disse no Twitter e volto a dizê-lo, o Phelps não é nada de especial. Se eu me disciplinar durante um ou dois meses consigo facilmente batê-lo e limpar todas as medalhas da natação. Basta treinar três vezes por semana, comer mais massa e apanhar apenas duas bebedeiras semanais (depois dos treinos que é para estar descansadinho durante os dias de ressaca). Exige alguma disciplina e sacríficio mas acho que consigo...

Mas não é possível ganhar mais de 20 medalhas na natação.

Bem visto! Se não fosses tu não sei o que faria... Facilmente consigo limpar as medalhas do tiro (beber bem antes para não estar com delirium tremens), do hipismo (arranjar um bom cavalo e controlar-me com a bebida), do salto à vara (já fiz coisas mais difíceis graças ao álcool) e do taekwondo (quando bebo ninguém me pára)... Tendo em conta aspectos que não vou revelar também é possível que me deixem participar na prova de halterofilismo feminino.


Entrar numa grande produção de Hollywood

Entrar numa grande produção de Hollywood era algo a que achava piada apesar de ter um grande senão: não gosto nada de me ver na televisão. Teria que arranjar soluções como pôr o Keanu Reeves a fazer de duplo da minha cara ou obrigá-los a fazerem uma versão com a minha cara distorcida. Nada que não se resolva...


Acabar com a pobreza

Se tiver tempo gostaria de acabar com a pobreza. É algo que me incomoda muito e um dos grandes problemas da sociedade. Detesto quando vou na rua preocupado com questões tão pertinentes como o comprimento do pescoço da maior girafa do Mundo ou o verdadeiro significado da columbofilia e vêm ter comigo a pedir dinheiro ou comida. Chateia-me! É por isso que quero acabar com a pobreza! Não gosto que me abordem na rua! Chamem-me egoísta por querer acabar com este mal! Já que vou ser milionário (com o disco, medalhas, Prémio Nobel, etc.) permitam-me que desfrute de alguns luxos como acabar com algo que me dá cabo do juízo, que é a pobreza...


Aprender dança

Finalmente, gostava de entrar no mundo da dança. Acho que o Marco de Camilis é, de longe, o português com mais estilo de todos os tempos. Aprender a dançar tornar-me-ia mais próximo deste deus da dança e meu grande ídolo de infância. Marco, se estiveres a ler isto, um grande e apertado abraço... Continua assim...


Como vêem, tenho um futuro risonho à minha espera.

Imagino que tenham uma pergunta a passear nas vossas cabeças na expectativa de sair a qualquer momento. Eu antecipo-me: porque é que uma mente tão brilhante como a minha e com tantas perspectivas estava a fazer um trabalho que um chimpanzé bem treinado faria melhor? Eu respondo... Porque sempre foi o meu sonho fazer o trabalho de um chimpanzé...

Beijinhos fofos para todos e um especial para o Barnabé que tem como vantagem em relação a mim o facto de não interromper o trabalho para ir actualizar o Twitter... Se o fizesse diria certamente coisas mais pertinentes...